a dança

A DANÇA

Amas a dança, Senhor Deus!

Tu mesmo conduzes

o ballet das estrelas

e a dança

dos ventos e das nuvens.

Dançam

sob teu olhar complacente

as ondas do mar,

as aves, no azul do céu,

as árvores,

que parecem imóveis

e são exímias bailarinas.

Dançam

na mais bela de suas preces

os teus anjos.

És todo harmonia e ritmo!

Tu mesmo danças, Senhor!

Vamos retomar cada afirmativa da meditação… É ou não verdade que somente Deus pode conduzir o ballet dos astros pelas alturas, e a dança dos ventos e das nuvens?

São milhões, bilhões de mundos, diante dos quais a Terra fica pequenina, pequenina…

E quem, senão Deus, saberia lidar com as nuvens e os ventos, que parecem tão independentes e tão difíceis de controlar?

Há ou não uma dança autêntica no ir e vir das ondas do mar?… Dançam ou não as aves em pleno azul do céu? Basta pensar nas andorinhas… Se me permitem um exemplo de aparência grotesca: como podem os urubus, tão pouco dotados de beleza, desenvolver volteios tão belos que nos fazem esquecer os poucos dotes físicos do Irmão Urubu?


Quem não descobriu ainda que as árvores, que parecem profundamente presas ao chão, dançam e como dançam, através dos seus galhos, e com a participação de suas folhas, flores e às vezes frutas?…

Quem tem olhos de ver e ouvidos de ouvir percebe que o Criador e Pai imprime ritmo em tudo e em todos:

– quando marchamos descuidadamente há um ritmo natural em nosso braço e no movimento de nossas mãos…

– até quando uma folha se desprende de uma árvore, ela não cai de um modo qualquer… Ela, apesar de aparentemente morta, ainda guarda um resto de ritmo e vem para o chão dançando.

Se o Criador e Pai ama de tal modo o ritmo, a harmonia, longe de ser uma ofensa é homenagem carinhosa – e provavelmente uma verdade perfeita – concluir: “Tu mesmo danças, Senhor!”

Do livro UM OLHAR SOBRE A CIDADE, de D. Helder Câmara-3ª edição/2009-PAULUS

Deixe um comentário!