O galo que logrou a raposa

O galo que logrou a raposa

Um velho galo matreiro, percebendo a aproximação da raposa, empoleirou-se numa árvore.
A raposa desapontada, murmurou consigo:
“Deixe estar, seu malandro, que já te curo…”
Em voz alta:

– Amigo, venho contar uma grande novidade: acabou-se a guerra entre os animais.
Lobo e cordeiro, gavião e pinto, onça e veado, raposa e galinhas, todos os bichos andam agora aos beijos, como namorados.
Desça desse poleiro e venha receber o meu abraço de paz e amor.

– Muito bem! – exclama o galo. – Não imagina como tal notícia me alegra!
Que beleza vai ficar o mundo, limpo de guerras, crueldade e traições!
Vou já descer para abraçar a amiga raposa, mas… Como lá vem vindo três cachorros, acho bom esperá-los, para que também eles tomem parte na confraternização.
Ao ouvir falar em cachorro Dona Raposa não quis saber de história, e tratou de pôr-se ao fresco, dizendo:
– Infelizmente, amigo, tenho pressa e não posso esperar pelos amigos cães.
Fica para a outra vez a festa, sim? Até logo.
E raspou-se.
Contra esperteza, esperteza e meia

Monteiro Lobato