Os Pobres Entre Nós

Os Pobres Entre Nós

Em seu livro Louco Amor (Mundo Cristão, 2009), Francis Chan conta a história de uma família que tem uma tradição natalina interessante. Na manhã de Natal, a família não cumpre a tradição de abrir os presentes que estão sob a árvore de Natal. Em vez disso, eles preparam um farto café da manhã e o servem aos sem-teto. Este é um jeito simples, mas criativo de demonstrar a generosidade e o amor de Deus aos pobres.

Deus esperava este tipo de generosidade do Seu povo. Em Deuteronômio 15, Moisés enfatizou como a pobreza existe e a maneira como os mais ricos devem lidar com ela. Ele os advertiu sobre quatro perigos:

Ter o coração endurecido e ignorar as necessidades dos pobres (Deuteronômio 15:7).

Ter a mão fechada e reter o que falta aos pobres (Deuteronômio 15:7).

Ancorar o pensamento vil no coração e hesitar ou se recusar-se a emprestar dinheiro aos pobres porque o ano do cancelamento das suas dívidas se aproxima (Deuteronômio 15:9).

Ser egoísta e relutar em satisfazer as necessidades dos pobres entre eles (Deuteronômio 15:10). Eles não apenas foram advertidos sobre o egoísmo, porém o mais importante – foram incentivados a serem espontaneamente generosos (Deuteronômio 15:8,10,11).

Entre o povo de Deus, deve haver sempre um espírito de generosidade em relação aos pobres. Vamos abrir o nosso coração e as nossas mãos.

DEVEMOS AJUDAR OS OUTROS COM GENEROSIDADE. SE ESPERARMOS POR RIQUEZAS PARA PODER AJUDÁ-LOS, TALVEZ NÃO AS ALCANCEMOS.

FONTE:

Marvin L. Williams

Jesus Cristo é a porta

Jesus Cristo, é a porta

João 10:1-14
“1 Na verdade, na verdade vos digo que aquele que não entra pela porta no curral das ovelhas, mas sobe por outra parte, é ladrão e salteador.
2 Aquele, porém, que entra pela porta é o pastor das ovelhas.
3 A este o porteiro abre, e as ovelhas ouvem a sua voz, e chama pelo nome às suas ovelhas, e as traz para fora.
4 E, quando tira para fora as suas ovelhas, vai adiante delas, e as ovelhas o seguem, porque conhecem a sua voz.
5 Mas de modo nenhum seguirão o estranho, antes fugirão dele, porque não conhecem a voz dos estranhos.
6 Jesus disse-lhes esta parábola; mas eles não entenderam o que era que lhes dizia.
7 Tornou, pois, Jesus a dizer-lhes: Em verdade, em verdade vos digo que eu sou a porta das ovelhas.
8 Todos quantos vieram antes de mim são ladrões e salteadores; mas as ovelhas não os ouviram.
9 Eu sou a porta; se alguém entrar por mim, salvar-se-á, e entrará, e sairá, e achará pastagens.
10 O ladrão não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância.
11 Eu sou o bom Pastor; o bom Pastor dá a sua vida pelas ovelhas.
12 Mas o mercenário, e o que não é pastor, de quem não são as ovelhas, vê vir o lobo, e deixa as ovelhas, e foge; e o lobo as arrebata e dispersa as ovelhas.
13 Ora, o mercenário foge, porque é mercenário, e não tem cuidado das ovelhas.
14 Eu sou o bom Pastor, e conheço as minhas ovelhas, e das minhas sou conhecido.”
O Evangelho de João nos capítulos anteriores nos ensina que Jesus é o pão, nosso alimento espiritual, a fonte de água que nos dá vida e é o Verbo.
Preocupado com que os religiosos da época vinham fazendo e praticando, o apóstolo João no capítulo 10 nos ensina quem é o nosso verdadeiro e único pastor.
Na época muitas pessoas eram extorquidas e queriam conhecer Jesus, mas falsos ensinamentos e religiosidades começaram a selecionar quem era digno ou não de entrar no aprisco (curral das ovelhas).
Os religiosos queriam explicação lógica para coisas espirituais. Para eles as coisas deveriam ocorrer de acordo com sua cultura e sua forma de viver.
João confronta esses religiosos pela forma que eles vinham criticando as coisas de Deus.
Hoje tem tantas pessoas agindo como esses religiosos, impedindo que a palavra de Deus seja ensinada e pregada para as pessoas que tanto necessitam.
Temos a tendência de limitar o evangelho segundo nossa ótica ou nossa forma de viver. Agindo assim impedimos que o evangelho de Jesus possa chegar ao coração das pessoas. Os religiosos da época faziam a mesma coisa. Pessoas que pensam que Deus vai se manifestar segundo a sua ótica.
Esses religiosos impediam das pessoas entrarem no aprisco do Senhor (lugar destinado ao abrigo das ovelhas).
Toda religiosidade impede ou priva as pessoas de entrarem pela porta do curral.
A situação era tão preocupante que João começa o texto dizendo: 1”Na verdade, na verdade vos digo”, João chama atenção o que vou falar é importante e é urgente. Ouça, aprenda logo, ponha em prática, não deixe para depois.
Aquele que não entra pela porta das ovelhas é ladrão. João esta indagando que somente Jesus é a porta das ovelhas.
A porta tanto permite a entrada como impede a saída.
A porta da época não era como essa que temos hoje. Era um buraco no meio da cerca, sem dobradiças.